Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O sexo dos anjos

23
Mai18

Em Coimbra, 94% das estudantes já foram alvo de assédio sexual

por Cila

Queima das fitas.io

 

Hoje partilho convosco, integralmente, um artigo do correio da manhã. Porquê?

Porque vivo em Coimbra, porque amo Coimbra, porque tenho filhas universitárias, porque conheço esta realidade.

Como é possível que, em 2018, em pleno seculo XXI, ainda estejamos nós, mulheres, sujeitas a este tipo de realidade? Uma realidade crua, dura e demasiado violenta.

Meninas que, na maior parte dos casos, vêm de pequenas localidades, completamente alheias ao que vão encontrar, sem indicações sobre como se protegerem. Podem dizer que, na atualidade, já conhecem todos os perigos mas, a realidade é demasiado brutal e muito mais violenta do que podem pensar.

Um estudo realizado pela UMAR Coimbra sobre a violência sexual em contexto académico revela que 94,1% das mulheres inquiridas já foram alvo de assédio sexual, 21,7% de coerção sexual e 12,3% reportaram já terem sido violadas.

Cerca de um terço das mulheres que responderam ao inquérito da UMAR - União de Mulheres Alternativa e Resposta referiram que já foram vítimas de 'stalking' (perseguição) e cerca de metade já tiveram contacto sexual não consentido, revela a nota de imprensa da organização enviada à agência Lusa.

 

O estudo da UMAR Coimbra, que é apresentado hoje, refere ainda que 14,4% das mulheres inquiridas já sofreram "pelo menos uma tentativa de violação".

Questionadas sobre a perceção de segurança em espaço público, 53% das mulheres elegeram como principal receio para andarem sozinhas na rua o medo de sofrerem "um ataque sexual", enquanto os homens que responderam identificaram como "principais motivos o receio de sofrer um assalto".

O estudo realizado pela UMAR Coimbra, no âmbito do projeto CAMI - Capacitar para Melhor Intervir Localmente, foi feito com dados obtidos entre junho e julho de 2017, através de um questionário "disseminado 'online'".

A amostra válida do estudo é constituída por 518 respondentes. 79% são mulheres, 85,5% na faixa etária entre os 17 e os 34 anos e a grande maioria frequentou ou frequenta a Universidade de Coimbra (77,8%).

"Em todas as categorias de experiências sexuais indesejadas analisadas, a grande maioria das mulheres inquiridas reportou ter sofrido estes comportamentos por parte de indivíduos do género masculino, nomeadamente parceiros íntimos, ex-parceiros íntimos, docentes, conhecidos e superiores hierárquicos ou colegas", refere a UMAR, na nota de imprensa.

A organização sublinha que, "nos últimos anos, foram identificadas, formal e informalmente, várias situações de violência sexual e assédio sexual entre pares no contexto académico", sendo que "continua a não existir uma noção real da prevalência da violência sexual e do assédio sexual no meio académico em Coimbra".

Os resultados obtidos vão ser apresentados na íntegra a partir das 18:00, no anfiteatro III da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

In Correiodamanhã

 

 

Sobre Mim

foto do autor

Instagram

@lucdiogo

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D