Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O sexo dos anjos

10
Set18

Quando a desigualdade de género parte de outra mulher

por Cila

IGUALDADE.jpg

Hoje estou triste. Muito triste.

Falar da desigualdade de género é para mim uma batalha, na maior parte das vezes incompreendida por grande parte da população masculina que tem tendência a desvalorizar e até contrariar. Mesmo assim não deixo de tentar sempre fazer ver a realidade dura da maior parte das mulheres no seu dia-a-dia e, quando consigo fazer ver a alguém as desvantagens de que todas as mulheres são portadoras, fico extremamente feliz. Conseguir mudar a visão de apenas uma pessoa é para mim uma vitória, já que uma das minhas frases preferidas neste contexto é “grão a grão, enche a galinha o papo”.

E é assim que chego ao assunto de hoje. Porque fico tão magoada e triste quando se trata de ser necessário fazer ver a desigualdade a uma mulher. Como é possível? Como pode uma mulher tecer comentários sexistas? Como pode uma mulher fazer-se reduzir ao facto de se achar de alguma forma um ser inferior? Como pode uma mulher concordar com comentários sexistas de alguém que deve pensar que nasceu de uma chocadeira e não de uma mulher? E não só concordar mas ainda reforçar. Como podemos mudar a nossa sociedade quando são as próprias mulheres a criar estereótipos que validam os comportamentos machistas?

Pronto, desabafei.

E para ti Mulher, que ainda vives com o pensamento retrógrado que te foi incutido na tua educação, não, não somos inferiores. Somos seres humanos iguais de direitos e deveres. Merecemos a igualdade, principalmente a igualdade de oportunidades. Merecemos que nos ouçam quando não concordamos com a forma como somos tratadas, quando nos descriminaram no nosso trabalho por sermos mulheres, quando não aceitam a verdade dos factos ao enfrentar um colega do sexo masculino, quando nos ROUBAM no nosso salário porque somos mulheres. Sim, ROUBAM. Porque desempenhamos a mesmíssima tarefa que o nosso colega do lado, quem sabe até com mais responsabilidades, e o nosso salário é quase 50% inferior. E quem rouba alguma coisa é ladrão. Com todas as letras, L A D R Ã O.

Percebeste agora? Já não era sem tempo.

 

29
Mai18

JUSTIÇA E IMPUNIDADE-Relatório da ONU

por Cila

Justica e impunidade.jpg

Publicado hoje, o novo relatório da ONU sobre a violência contra as mulheres no Afeganistão constata que as vítimas são, muitas vezes, pressionadas a aceitar a mediação, em vez de o suposto autor ser levado a julgamento. “Usar a mediação para tais ofensas é, em seu cerne, uma violação dos direitos humanos por parte do Estado, que tem a obrigação de assegurar a prevenção eficaz de tais crimes, a proteção das mulheres, e fornecer uma resposta efetiva onde tal violência ocorre. O amplo uso da mediação quando uma mulher ou menina foi espancada, mutilada ou assassinada, ou quando ela foi vítima desse conceito horrível de 'assassinato por honra', normaliza essa violência e torna muito mais provável que ela ocorra novamente. Também corrói a confiança das mulheres - e do público em geral - no sistema legal”, disse o Alto Comissário da ONU para Direitos Humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein.

RELATÓRIO da ONU - GENEBRA 29 de maio de 2018:

 

LER MAIS )

 

23
Mai18

Em Coimbra, 94% das estudantes já foram alvo de assédio sexual

por Cila

Queima das fitas.io

 

Hoje partilho convosco, integralmente, um artigo do correio da manhã. Porquê?

Porque vivo em Coimbra, porque amo Coimbra, porque tenho filhas universitárias, porque conheço esta realidade.

Como é possível que, em 2018, em pleno seculo XXI, ainda estejamos nós, mulheres, sujeitas a este tipo de realidade? Uma realidade crua, dura e demasiado violenta.

Meninas que, na maior parte dos casos, vêm de pequenas localidades, completamente alheias ao que vão encontrar, sem indicações sobre como se protegerem. Podem dizer que, na atualidade, já conhecem todos os perigos mas, a realidade é demasiado brutal e muito mais violenta do que podem pensar.

Um estudo realizado pela UMAR Coimbra sobre a violência sexual em contexto académico revela que 94,1% das mulheres inquiridas já foram alvo de assédio sexual, 21,7% de coerção sexual e 12,3% reportaram já terem sido violadas.

Cerca de um terço das mulheres que responderam ao inquérito da UMAR - União de Mulheres Alternativa e Resposta referiram que já foram vítimas de 'stalking' (perseguição) e cerca de metade já tiveram contacto sexual não consentido, revela a nota de imprensa da organização enviada à agência Lusa.

 

LER MAIS )

 

16
Mar18

Marielle Franco

por Cila

Marielle Franco.png

 

Marielle Franco, vereadora pelo Rio de Janeiro, negra, feminista, quinta mais votada para o cargo, foi executada.

 Existem fortes indícios de que foi assassinada devido à sua luta contra as ações da PM contra os jovens negros da favela.

Marielle Franco, eleita pelo partido PSOL, tinha acabado de participar num evento chamado "Jovens Negras Movendo as Estruturas", uma das  muitas campanhas em que estava envolvida na luta contra a violência, o racismo e a discriminação. Horas antes do crime, Marielle tinha publicado um post no Twitter sobre mais um caso de violência policial em que perguntava: "Quantos mais vão precisar morrer para que essa guerra acabe?" A morte de Marielle está a causar uma onda de consternação no Brasil, com políticos, artistas e figuras da sociedade a lamentarem o seu desaparecimento.

Marielle Franco tinha muito pelo que lutar. Acreditava que podia mudar o sistema, mas tornou-se apenas uma estatística. Não vai haver comoção mundial pela sua morte. Provavelmente nem encontrarão os culpados.

Não deixem que isso aconteça, não deixem que se torne apenas estatística. Saibam dessa morte. Divulguem.

 

08
Mar18

1 Ano de blog e On 8 March #WeStrike

por Cila

3000.jpg

Faz hoje 1 ano, no Dia Internacional da Mulher, decidi criar este blog com o intuito de partilhar as minhas inquietações e dificuldades quanto ao papel da mulher neste mundo. Coincidentemente, este foi um ano de grandes mudanças, revelações e campanhas que pretendem dar à Mulher o destaque e posição que ela merece. Gosto de pensar que coloco um grãozito de areia neste difícil processo e que as minhas palavras possam ter algum feedback na mentalidade de algumas pessoas. Seria muito feliz se soubesse que consegui, pelo menos, conquistar uma pessoa na sua forma de ver e sentir esta sociedade de criámos.

Para celebrar este ano de escrita e de conquista, hoje partilho convosco um extrato de um artigo publicado no “The Guardian”, com o título original We need a feminism for the 99%. That's why women will strike this year, também ele uma forma de celebrar o Dia Internacional da Mulher e de dar a conhecer ao mundo algumas das verdades escondidas numa sociedade predominantemente machista.

No ano passado, no dia 8 de março, nós, mulheres de todos os tipos, marchámos, parámos de trabalhar e tomámos as ruas em cinquenta países de todo o mundo. Nos Estados Unidos, manifestámo-nos, marchámos, deixamos a louça para os homens em todas as grandes cidades desse país e em incontáveis cidades menores. Nós interrompemos o funcionamento de três distritos escolares para provar ao mundo, mais uma vez, que enquanto sustentamos a sociedade nós também temos o poder de fechá-la.

 

LER MAIS )

 

02
Mar18

UN Mulheres : Dia Internacional da Mulher 2018

por Cila

iwd 2018 web banners_infocus_en.jpg

Celebra-se no próximo 8 de Março o Dia Internacional da Mulher e o tema escolhido pelas Nações Unidas Mulher é  "Time is Now: ativistas rurais e urbanas que transformam a vida das mulheres".

Este ano, o Dia Internacional da Mulher vem ao ritmo de um movimento global sem precedentes pelos direitos das mulheres, igualdade e justiça, tendo assumido a forma de marchas e campanhas globais, incluindo #MeToo e #TimesUp nos Estados Unidos da América e seus homólogos em outros países, sobre questões que vão desde o assédio sexual e femicídio até a igualdade de remuneração e a representação política das mulheres.

Fazendo eco do tema prioritário da próxima 62ª sessão da Comissão das Nações Unidas sobre o Status da Mulher, o Dia Internacional da Mulher também chamará a atenção para os direitos e o ativismo das mulheres rurais, que compõem mais de um quarto da população mundial e estão sendo deixadas para trás em todas as medidas de desenvolvimento.

Junte-se a nós para transformar o impulso em ação, para capacitar as mulheres em todos os ambientes, rural e urbano, e para comemorar as ativistas que trabalham implacavelmente para reivindicar os direitos das mulheres e realizar todo o seu potencial.

 #TimeisNow

Para consultar a página das Nações Unidas Mulher vá a http://www.unwomen.org/en/news/in-focus/international-womens-day onde poderá encontrar todas as iniciativas e eventos previstos no âmbito da comemoração do Dia Internacional da Mulher.

 

 

 

 

27
Nov17

Dia Internacional contra a Violência de Género

por Cila

Patria, Minerva e Maria Teresa Mirabal.jpg

Celebrou-se no dia 25 de Novembro o dia Internacional contra a violência de género. Foi neste dia, em 1960, que foram encontrados os cadáveres de três irmãs, Minerva, Patria e Maria Teresa Mirabal, assassinadas pelo regime do ditador Trujillo na Republica dominicana, pelo facto de serem mulheres e ativas militantes anti regime.

Anos mais tarde, em 1999, a ONU, em homenagem às irmãs Mirabal, declarou o dia 25 de Novembro, dia internacional para a eliminação da violência contra a mulher.

A violência de género contínua presente na nossa sociedade em forma de agressões e abusos em milhares de vítimas em todo o mundo. A cada 25 de Novembro soam as vozes da denúncia a favor da sua erradicação definitiva.

 

LER MAIS )

 

21
Nov17

Comissão Europeia anuncia plano para acabar com a disparidade salarial entre homens e mulheres

por Cila

igualdade-salarial.jpg

No passado dia 2 de Junho falei aqui http://osexodosanjos.blogs.sapo.pt/trabalhadoras-portuguesas-tem-mais-6316 da questão da desigualdade na retribuição salarial entre homens e mulheres,  no acesso a lugares mais destacados nas empresas e na progressão das carreiras. Este é um assunto que me toca profundamente desde o início da minha vida profissional uma vez que sempre me considerei descriminada em favor de colegas do sexo masculino, embora desempenhasse tão bem ou melhor as mesmas funções.

 

LER MAIS )

 

08
Nov17

O dia em que as mulheres da Islândia entraram em greve

por Cila

 

Icelands women went on srike1.jpg

No dia 24 de Outubro de 1975, decorria o ano pós revolução dos cravos em Portugal, as mulheres da Islândia resolveram entrar em greve para reivindicar a sua emancipação. Naquele dia elas recusaram-se a trabalhar, a cozinhar e a tratar das crianças por um dia. Foi o momento que mudou definitivamente a forma como as mulheres eram vistas e que ajudou a colocar a Islândia na vanguarda da luta pela igualdade.No ano seguinte o parlamento aprovou uma lei garantindo igualdade salarial.

Em Novembro de 1980 Vigdis Finnbogadottir, mãe solteira, divorciada, foi eleita presidente da Islândia, tornando-se a primeira mulher a ser presidente na Europa e a primeira mulher a ser democraticamente eleita como chefe de estado. Ocupou o lugar por 16 anos e a Islândia passou a ser conhecida como “o país mais feminista do mundo”.

 Vigdis Finnbogadottir sempre disse que nunca teria sido presidente se o tão famoso dia 24 de Outubro de 1975, dia em que 90% das mulheres do país decidiram demonstrar a sua importância fazendo greve, não tivesse acontecido. “ O que aconteceu naquele dia foi o primeiro passo para a emancipação das mulheres na Islândia, paralisou completamente o país e abriu os olhos de muitos homens. Bancos, fabricas e lojas tiveram que fechar, tal como escolas e creches, obrigando os pais a levar os filhos para o trabalho”. Foi uma longa sexta-feira.

Mulheres na história, para não esquecer...

Sobre Mim

foto do autor

Instagram

@lucdiogo

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D